Ocorrência de Sclerotium rolfsii na cultura do açafrão na Mesorregião Central de Goiás – Vale do São Patrício

Taís Ferreira de Almeida, Vagner Alves Silva, Guilherme Pontes, Cláudia Barbosa Pimenta, Manoel Virgílio de Siqueira, Wesley Oliveira Gonçalves

Resumo


A podridão de esclerócio, causa pelo fungo Sclerotium rolfsii, é uma importante doença de solo, causando podridões de raiz, colo e murcha de plantas. Têm grande importância pelo difícil manejo, baixa especificidade do patógeno e por apresentar estruturas de resistência. O objetivo deste trabalho foi estudar a etiologia de S. rolfsii em plantas de açafrão (Curcuma longa) recebida no Laboratório de Fitopatologia da Emater para fins de diagnose. Foram analisadas amostras de açafrão, provenientes do município de Pilar de Goiás – GO, safra 2018/2019. A identificação do patógeno foi feita observando-se as características culturais e morfológicas do isolado em meio batata-dextrose-ágar (BDA) acrescido de sulfato de estreptomicina (0,12 g por 1.000 mL de BDA). Sete dias após o isolamento foi observado crescimento micelial vigoroso, de cor branca, e esclerócios esféricos de coloração marrom. Posteriormente, o isolado foi cultivado em grãos de arroz e em seguida inoculado em plantas de açafrão com 30 dias de idade. Aproximadamente dez dias após a inoculação, foi verificada a ocorrência de podridão no colo e tombamento. Efetuou-se o reisolamento do patógeno em cultura pura, completando-se assim o Postulado de Koch. Estudos para determinação da especificidade do patógeno para as culturas: tomate, alface, pimentões, jiló, berinjela, pimentas e gengibre estão sendo conduzidos. Esta é a primeira constatação deste patógeno em açafrão na Mesorregião Central de Goiás – Vale do São Patrício.

Palavras-chave


Curcuma longa, escleródios, murcha, podridão.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.