Sensibilidade in vitro de Sclerotium rolfsii a diferentes extratos vegetais

Taís Ferreira Almeida, Guilherme Pontes, Cláudia Barbosa Pimenta

Resumo


As plantas medicinais possuem compostos secundários que podem apresentar atividade direta, por meio de extratos brutos e óleos essenciais, sobre fitopatógenos como fungos, bactérias e nematoides. Objetivou-se avaliar o efeito in vitro de quatro extratos vegetais alcoólicos, no desenvolvimento vegetativo e reprodutivo de Sclerotium rolfsii isolado de açafrão. As plantas utilizadas no preparo dos extratos vegetais foram alho (Allium sativum), cardo santo (Cnicus benedictus), melão de São Caetano (Momordica charantia) e losna (Artemisia absinthium). Os extratos foram obtidos pela extração a frio – técnica de maceração, utilizando como extrator o etanol. A concentração utilizada foi de 20% (peso:volume). Escleródios do fungo, produzidos em placas de Petri, contendo meio de cultura BDA (batata-dextrose-ágar), foram semeados em placas de BDA contendo os extratos nas concentrações de 1, 5 e 10%. Como testemunha foi utilizado o extrator (etanol), água estéril e fungicida (tebuconazole). Os experimentos foram desenvolvidos em delineamento de blocos ao acaso, utilizando-se de cinco repetições para cada tratamento. Após cinco dias, avaliou-se o desenvolvimento micelial e a formação de esclerócios. Na formação de escleródios, apenas o extrato de alho foi capaz de inibir totalmente a formação de escleródios. Conclui-se que a o extrato de alho na concentração de 10%, apresentou eficiência similar ao fungicida na inibição do micélio.

Palavras-chave


Allium sativum, escleródios, fungitoxidade, plantas medicinais.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.